+55 (11) 3619-3618 | +1 (716) 220-8658

Visto de estudo para o Canadá será feito em duas etapas

Visto de estudo para o Canadá será feito em duas etapas
15/07/2020 Tatiana Pinheiro
Tempo de leitura: 5 minutos

Por causa das restrições de viagens impostas pelo cenário de pandemia mundial, o governo canadense acaba de anunciar mudanças na forma como os vistos de estudo para o país serão processados. Agora, a aprovação (ou desaprovação) das permissões será feita em duas fases. A ideia é agilizar ao máximo a primeira etapa de análise para permitir que os alunos iniciem seus programas de estudo ao menos na modalidade on-line (já que essa é a única disponível na grande maioria das instituições de ensino canadense no momento).

Isso se fez necessário porque os colleges e as universidades exigem que os estudantes apresentem a permissão de estudos mesmo para assistir aulas remotas. Com os consulados e os postos de atendimento aos solicitantes de vistos fechados por todo o Brasil, muitos estudantes não conseguiriam ter seus vistos liberados em tempo. A medida vai beneficiar, de início, quem vai começar as aulas em setembro deste ano, ou seja, no intake de outono que é a principal data de início no Canadá.

Os estudantes que submeterem uma aplicação on-line completa antes do dia 15 de setembro de 2020 podem receber uma pré-aprovação de seu pedido de visto. Entenda “aplicação on-line completa” como aquela que apresenta a documentação da matrícula na escola, a comprovação financeira para pagamento dos estudos e do custo de vida, além de passaporte, exame médico, entre outros itens. Muitas clínicas credenciadas pelo Governo Canadense para a realização do exame médico no Brasil já voltaram a funcionar. Consulte a clínica mais próxima de você no painel de médicos credenciados no site do Governo Canadense.

Aula on-line representa economia de dinheiro

Essa primeira etapa de aprovação das permissões de estudo vai possibilitar que os alunos acompanhem as aulas on-line de seu curso ainda estando no Brasil, desde que esse período de estudo remoto não ultrapasse 50% do tempo total de duração do programa. Essa situação está sendo vista de forma positiva por muitos estrangeiros, pois representa uma economia em relação a gastos com moradia, transporte, alimentação e lazer no Canadá.

O desafio será adaptar a rotina de estudo à vida ainda em andamento no Brasil. Quanto ao fuso horário das aulas, não precisa se preocupar. As instituições canadenses apresentam alternativas para que cada estudante acompanhe sua grade horária sem se sacrificar acordando muito cedo ou indo dormir muito tarde.

Tempo de estudo on-line vai contar para o PGWP

A grande novidade agora é que esse tempo de estudo pela internet será considerado válido quando o aluno se formar e solicitar o PGWP (Post-Graduation Work Permit). Isso ocorrerá mesmo se esse tempo avançar para além de 2020 (antes, o tempo de estudo on-line que seria computado para o PGWP ia até dia 31 de dezembro de 2020 apenas).

O PGWP é uma permissão de trabalho que o estudante de certas instituições e certos cursos podem solicitar ao Governo Canadense ao se formar (leia mais sobre esse benefício na reportagem Como conseguir o tão sonhado PGWP). Com ele, um estrangeiro que fez um curso de dois anos, por exemplo, pode ficar trabalhando no Canadá por até mais três anos, como forma de praticar o que aprendeu no college ou na universidade que frequentou.

E quanto à segunda fase de aprovação?

É bom que fique bem claro: não é porque um estudante foi aprovado na primeira fase, que é certeza que será aprovado na segunda fase do processo de visto de estudo. Não. Esse desmembramento de análise de visto é para permitir o início do estudo on-line, já que o aluno terá em mãos uma documentação básica para apresentar para o college ou a universidade escolhida.

Também foi uma forma encontrada pelo Governo Canadense de dar andamento aos milhares de pedidos de permissões de estudo parados mundo afora. Muitos eram considerados incompletos porque estavam sem a etapa da biometria completa (todo solicitante com mais de 14 anos deve fornecer uma foto e suas impressões digitais a cada dez anos ou quando seu passaporte expirar, o que ocorrer primeiro). E para os aplicantes era impossível avançar nesse quesito com os postos de coleta de dados biométricos ainda fechados.

O Governo Canadense explica na nota oficial sobre essa mudança que uma decisão final negativa à solicitação de visto de estudo pode ocorrer por diversos motivos. Eles vão desde questões relacionadas ao histórico de antecedentes criminais do aplicante, por razões de segurança nacional, por causa da falta de previsibilidade da situação de evolução da pandemia ou mesmo devido a questões associadas às restrições de viagens para o Canadá.

As autoridades ainda concluem ao final da nota (em tradução livre): “Um aplicante receberá uma aprovação final uma vez que ele atenda todos os requisitos de elegibilidade e admissibilidade, incluindo a submissão dos dados biométricos e documentos necessários, tal como um exame médico de imigração e uma declaração de antecedentes criminais. Somente quando uma aprovação final for recebida um solicitante estará apto a viajar para o Canadá”.

Se você quiser entender porque o Governo Canadense está buscando formas de auxiliar os estudantes internacionais em seus Projetos Canadá, leia a reportagem O Brasil é o quinto país que mais envia estudantes para o Canadá. Não é por acaso. Tanto os brasileiros como alunos de outros 155 países contribuem muito para a prosperidade da economia canadense.

Fonte de informações:

Nota do Governo Canadense (em inglês): Minister Mendicino announces changes to facilitate online learning for international students.

Comments (0)

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*