+55 (11) 3619-3618 | +1 (716) 220-8658

Brasileiros são a segunda mão de obra mais contratada no Canadá

Brasileiros são a segunda mão de obra mais contratada no Canadá
16/12/2019 Tatiana Pinheiro
Tempo de leitura: 6 minutos

Ficamos atrás apenas dos filipinos. Esse é um dos dados de uma pesquisa divulgada recentemente pela World Education Service (WES). A organização sem fins lucrativos é uma das cinco autorizadas pelo Governo Canadense a avaliar credenciais educacionais de candidatos a processos de imigração no Canadá.

Mais de 26 mil perfis foram submetidos à análise no sistema da WES entre 2013 e 2015. Desses, 6.402 já haviam sido admitidos em 2018 como residentes permanentes no Canadá. Foi analisando o desempenho profissional desses newcomers que a WES levantou dados interessantes sobre a dinâmica do mercado de trabalho canadense e a integração dos residentes permanentes nele.

Os brasileiros têm alto índice de empregabilidade

Dentre os brasileiros residentes que responderam à pesquisa (cerca de 4% dos pesquisados), 89,2% deles estavam empregados. Esse bom desempenho só ficou atrás da performance dos filipinos: 89,7% deles afirmaram ter um emprego na ocasião (sendo que os filipinos representaram 10,8% do grupo analisado). Residentes vindos de Egito, Paquistão e China apresentaram os mais baixos índices de desempenho na conquista de um emprego. Confira no gráfico abaixo a lista dos dez países de origem de residentes permanentes (RPs) e sua empregabilidade.

Os brasileiros costumam ser bastante elogiados pelos canadenses. A maioria de seus empregadores concorda em dizer que são um tipo de funcionário com bastante jogo de cintura para resolver situações imprevistas. Esse é um diferencial importante quando participam de novos projetos desenvolvidos em equipe ou quando viajam a trabalho como representantes de uma empresa.

Principais barreiras para conquistar o primeiro emprego

A pesquisa identificou que dos imigrantes empregados (80,3% da amostra), a maioria (61,2%) conseguiu um emprego em menos de três meses. Mas a investigação foi além e tentou entender, tanto dos brasileiros como dos demais residentes, qual foi a maior barreira que encontraram para conseguir o primeiro trabalho. Quase metade deles (48,5%) afirmou que o maior obstáculo foi não ter uma boa rede de contatos profissionais.

Uma das alternativas para suprir essa principal deficiência é buscar auxílio em agências de empregos. Há muitas cidades em todo o Canadá que oferecem suporte gratuito para facilitar essa busca. E pode valer muito a pena: 77,3% dos entrevistados que afirmaram ter usado algum tipo de assistência profissional, conseguiram um emprego; daqueles que não buscaram assessoria, apenas 69,5% de fato se empregaram.

Mais emprego para quem tem experiência em áreas específicas

A pesquisa encontrou uma lista de áreas de atuação anteriores que facilitam a inserção do imigrante no mercado de trabalho canadense. Aqueles que antes trabalhavam em áreas como alimentação e hotelaria, indústria, tecnologia da informação e na área financeira foram os que mais estavam empregados. Dentre esses perfis, confira as sete áreas de experiência prévia que mais conduziram ao emprego no Canadá.

Chama a atenção que aqueles que trabalharam em restaurantes e hotéis em seus países de origem apresentaram oito vezes mais chances de conseguir um emprego. Os da indústria, duas vezes mais chances. Os de TI demonstraram 1,5 vez a mais de possibilidade de conquistar um trabalho. Isso inclui tanto os que foram para o Canadá diretamente para o trabalho como aqueles que foram estudar e, uma vez formados, começaram a trabalhar.

Quanto mais graduação, menos empregabilidade

Curiosamente, quanto mais alta é a titulação do imigrante, menos ele consegue emprego. É por isso que apenas 71,5% daqueles que apresentaram doutorado estavam empregados, contra 85,9% dos formados em uma graduação rápida ou técnica (aquela oferecida pelos colleges canadenses, por exemplo, e que a gente explica de um jeito bem fácil nessa reportagem sobre faculdades no Canadá).

Segundo a WES, existe pouca habilidade do mercado de trabalho canadense em identificar e aproveitar as qualificações que o imigrante traz como bagagem educacional e experiência profissional. É mais comum o imigrante alcançar melhor desempenho no mercado de trabalho quando obtém uma titulação acadêmica no próprio Canadá. Entenda melhor esse aspecto no item seguinte.

Diploma e experiência de trabalho canadense valem muito

Existe, então, uma maior valorização da formação acadêmica obtida em solo canadense. A formação “mão na massa” oferecida pelos colleges é a que mais possibilita a muitos brasileiros e estrangeiros baterem na porta de empregadores para conseguir um primeiro emprego.

É por isso que se vê que entre os que afirmaram ter algum tipo de experiência canadense (seja como estudante internacional ou como trabalhador temporário), 91% estavam empregados. Entre os que disseram que nunca tiveram experiência de vida no Canadá, apenas 77,6% estavam trabalhando.

Mas dá pra conseguir um emprego equivalente ao que eu tinha no Brasil?

Essa é uma pergunta que não sai da cabeça do brasileiro que deseja ter uma experiência internacional no Canadá. A pesquisa encontrou pistas sobre o que ocorre com o imigrante que topa o desafio de iniciar um nova vida de estudo e de trabalho nas terras mais ao Norte. Apenas 39,1% dos residentes tinham empregos similares com os que tinham em seu país de origem (com nível de complexidade e direitos equivalentes) e pouco mais da metade deles (54,1%) afirmaram que usavam em seu posto atual de trabalho sua experiência profissional acumulada.

O desafio de recomeçar a carreira é um dos maiores enfrentados pelo novato no Canadá. E o que normalmente ocorre é conseguir emprego em posições de entrada e depois ir avançando para postos de gerenciamento e coordenação. Leva tempo, mas a recompensa sempre vem para quem se empenha em conhecer, cada dia mais, o modo como se trabalha no Canadá.

A Canadá Sem Fronteiras é expert em auxiliar e direcionar aqueles que desejam ir para o Canadá para obter uma primeira e muito válida experiência em solo canadense: a do estudo. Ao optar por esse caminho, o futuro estudante pode, por meio do planejamento que oferecemos, marcar com assertividade a sua data de embarque. Assumir esse controle significa definir seu futuro com base em suas escolhas, em vez de esperar que ele aconteça. Dê seu primeiro passo: preencha aqui seu formulário de perfil e a gente te orienta sobre como começar o seu Projeto Canadá.

Acesse aqui a pesquisa completa da WES – World Education Service (em inglês). Se preferir, baixe um resumo da pesquisa, disponível nesse mesmo link.

Comments (0)

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*